terça-feira, 22 de maio de 2012

Ferramenta moderna de seleção garante economia a pecuaristas sul-mato-grossenses





Identificar o momento ideal para se abater o gado de confinamento e agregar também valor às avaliações genéticas. Estes são os principais fundamentos da ultrassonografia de carcaça. “O criador que possui animais confinados ou semiconfinados tem um custo de 2 a 3 diárias (de confinamento) ao optar pelo uso desta ferramenta de seleção.

Em compensação, ele pode economizar de 7 a 10 diárias realizando o ultrasson”, afirma Matheus Silva Vieira, médico veterinário da Pecus. Isto porque a tecnologia combinada à utilização de um software específico garante que o profissional interprete os dados e preveja a época exata em que cada animal atingirá as características necessárias para ser entregue ao frigorífico; como, principalmente, cobertura de gordura.

“Desta forma, ao apartar no momento certo os lotes prontos para o abate e ainda ter a possibilidade de identificar os indivíduos que não responderão adequadamente enquanto confinados, os destinando ao pasto, o pecuarista economiza nos produtos fornecidos no confinamento e pode ainda repor com mais rapidez os animais que ficarão em regime de engorda”, ressalta Vieira.

Já na seleção de animais PO, a ultrassonogria ajuda a indicar touros e matrizes geneticamente superiores, com predisposição para transmitir aos filhos, de maneira diferenciada, características como área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura subcutânea e marmoreio.
Fonte: Pecus Pecuária US Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário