segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A palavra-chave é estabilidade

Acima, a arroba do boi gordo medido pelo indicador de SP. Desde o início do ano a palavra-chave é estabilidade. Preços oscilando entre 97 e 98 reais, escalas de abate oscilando entre 4 e 6 dias de bois comprados.

Preços estáveis do jeito que estão no boi parecem que estão formando um triângulo simétrico nos preços. Triângulos simétricos tendem a serem padrões de continuação na tendência prévia dos preços. No caso, a tendência prevalecente era de alta em dezembro. Vamos anotar isso na mente para futura referência.

De qualquer forma, o interessante disso tudo é que essa estabilidade nos preços ocorrendo perto dos preços máximos do ano passado, caro leitor. O pico da entressafra de 2012 foi R$ 98,21 dia 14 de novembro.

O monitoramento do clima têm chamado a atenção. A suposição é que com um volume suficiente de umidade no solo há a vantagem de segurar bois nos pastos ao invés de vende-los. Concordo. Dei uma olhada rápida na água disponível no solo das principais regiões produtoras de boi à pasto e em todas a umidade gira entre 80% e 100%.

O mercado futuro parece que sentiu essa indefinição, mas, na dúvida, ao invés de cair, já que estamos na safra, ele subiu. Os contratos de fevereiro até maio subiram mais de 50 centavos, em média. Isso me fez levantar as sobrancelhas e indagar: “O que está gerando essa indefinição no mercado? Na dúvida, o mercado sobe?!”

Isso nos leva a indagar sobre o mercado como um todo e nos conduz a nossa famosa pergunta que de tempos em tempos colocamos aqui na Carta Pecuária: “A arroba está cara ou barata atualmente?”

Sob o ponto de vista do consumidor, ela já esteve mais cara nesses últimos dois anos. O aumento da renda nacional, a inflação e a janela de negociação dos preços nesses últimos preços aliviaram o bolso do consumidor.
Sob o ponto de vista do frigorífico a conta é mais rápida e não dá para generalizar muito, mas podemos olhar da seguinte forma. As compras médias dos últimos 12 meses feitas pelos frigoríficos geram um preço médio de compra no estado de São Paulo ao redor de 94,69 reais.



Apesar que, em média a arroba tem progressivamente se tornado mais barata, em média, para o comprador, desde setembro a coisa no curto prazo mudou e o mercado parece que quer subir.

Hoje, por exemplo, a arroba hoje vale 97,73 reais, então atualmente a arroba está “mais cara” que a média no gráfico ao lado.

Além disso, a relação de preços entre as carnes de boi e frango não está muito positiva atualmente para o boi.

Para o produtor, a arroba não está remunerando. A gente viu nos textos recentes que a margem do negócio está baixíssima.

Então, você tem de um lado o mercado consumidor, que passa por um momento de renda favorável e parece que digeriu esses últimos dois anos de carne cara. Quem disse que digestão de carne bovina é uma coisa rápida? Se é com a própria carne, com os preços parece que é da mesma forma. Vimos também no Diário de Bordo que há um acréscimo na demanda de carne pelos jovens esse ano, a maior dos últimos anos e pico para o atual ciclo pecuário.

Do lado do produtor, a margem aperta. A oferta de machos se restringe para aumentar a engorda nos pastos, mas as fêmeas estão fluindo. De qualquer forma, o abate total não é uma maravilha no atual momento.

O frigorífico? Ele dança tango quando mandam ele dançar tango e lambada quando mandam ele dançar lambada. Atualmente, entretanto, a música está muito baixa para ele entender o que está tocando. Daí a necessária cautela para não ser pego com estoques demais de bois comprados se o mercado cair, e nem com bois de menos se o mercado subir.

De qualquer forma, o mercado consumidor gera uma expectativa boa. O produtor também gera isso daí no curto prazo. O frigorífico vai para onde o mercado for.

Estarei falando mais sobre isso na Carta Pecuária Trimestral. Vamos abordar essas coisas com mais profundidade para nos posicionar em nosso negócio para aproveitar as oportunidades que estou antevendo para frente. A Carta Pecuária Trimestral será veiculada dentro de algumas semanas.

Movimentação Do Mercado: Boi — Indicador ESALQ/BVMF do boi, que mede a variação dos preços da arroba no Estado de São Paulo, fechou a semana com +0,42 a R$ 97,73 à vista. Cotações em R$ por arroba.

A média móvel de 5 dias fechou em R$ 97,48. O contrato de janeiro/12 fechou com +0,90 a R$ 97,57. O contrato de janeiro está R$ 0,09 acima do preço médio de liquidação do contrato.

O contrato que vence em fevereiro/13 fechou com +0,78 a R$ 96,62; março/13 +0,65 a R$ 95,75 e abril/13 +0,37 a R$ 95,22.

Todos os vencimentos estão cotados à vista com o fechamento da sexta-feira e com a indicação semanal da variação de preços.

Bezerro — Indicador ESALQ/BVMF de bezerro, que mede a variação dos preços no Estado do Mato Grosso do Sul, fechou a semana com –0,89 cotado a R$ 711,59 à vista. Cotações em R$ por bezerro.

A arroba do bezerro cotada ao redor de R$ 118,00, alta de um real na semana.

Todos os vencimentos estão cotados com o fechamento da sexta-feira e com a indicação da variação semanal.

Taxa de Reposição1 — Um boi gordo compra hoje 2,27 bezerros, alta de 0,02 na semana.

Dólar — Dólar comercial fechou com –0,73% a R$ 2,030. Dólar futuro com vencimento no início de fevereiro fechou com –0,79% a R$ 2,032; março fechou com –0,80% a R$ 2,040.

Juros — A taxa de juros do governo (SELIC) está hoje em 7,25% ao ano.

Inflação – IGP-M de dezembro +0,68%. Acumulado no ano2 +7,56%.

Assim como os contratos de boi e bezerro se encerram pelo preço dos seus respectivos indicadores, o dólar se encerra pelo preço do dólar do Banco Central nas datas acima indicadas.

Frigoríficos4 — A arroba nos frigoríficos foi cotada hoje em São Paulo ao redor de R$ 97,00; no Mato Grosso do Sul, Dourados a R$ 91,50 (Base –5,7%) e em Campo Grande ao redor de R$ 91,00 (Base –6,2%).

A arroba em Goiânia foi cotada ao redor de R$ 86,00 (Base –11,3%).

Em Cuiabá está em R$ 86,00 (Base –11,3%).

No sul do Tocantins a arroba foi cotada em R$ 88,00 (Base –9,3%). No Triângulo Mineiro ao redor de R$ 90,00 (Base –7,2%).

1 Considerando os valores nominais dos indicadores da ESALQ/BVMF.
2 e 3 Somatória com Juros Simples.
4 Fonte completa dos preços da arroba nos frigoríficos à vista e livre do Funrural: Informativo Boi na Linha, da Scot Consultoria.

Fonte: DBO,  adaptado e resumido pelo blogueiro

 Conclusão:
Mercado fechou a semana em alta razoável para o boi gordo. O bezerro continua com destaque e sua arroba oscila próxima da casa dos inacreditáveis 120 reais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário